Clique para ampliar

Compartilhar:

Cartaz ORIGINAL do 45° FESTIVAL DE CANNES Retrato de Marlene Dietrich, Edição de 1992

Cartaz ORIGINAL do 45° FESTIVAL DE CANNES Retrato de Marlene Dietrich

Edição de 1992

Emoldurado e com vidro antirreflexo

Medindo 84cm x 63cm

Cartaz apresenta pequenas marcas de desgaste

Concebido na década de 1930 por Jean Zay, ministro francês da Instrução Pública e das Belas Artes, o Festival Internacional do Filme foi criado com o intuito de fazer frente à Mostra de Veneza, até então um dos maiores acontecimentos culturais da Europa.

A primeira edição do evento estava prevista para ocorrer durante mês de setembro de 1939, na cidade litorânea de Cannes, na região francesa da Côte d’Azur. No entanto, por conta da declaração de guerra da França e da Inglaterra à Alemanha, a festividade só pode ser aberta em 1946, um ano depois do fim dos conflitos armados.

Com mais de 60 anos de história, o Festival de Cannes consagrou-se como um dos mais glamorosos e respeitados eventos cinematográficos do mundo. Parte dessa fascinante trajetória foi narrada por meio de seus cartazes oficiais.

Tradicionalmente estampados com imagens conceituais, artes gráficas criadas por agências de comunicação ou ilustrações originais (algumas delas esboçadas por grandes realizadores, como Federico Fellini e Akira Kurosawa), ao longo do tempo, os pôsteres do evento também passaram a ser preenchidos por belíssimas fotografias, que servem como verdadeiros registros testemunhais da história da sétima arte.

O pôster da edição de 1992 foi estampado com um retrato minimalista de uma das grandes divas da sétima arte: Marlene Dietrich.

Eleito um dez dos mais belos e emblemáticos exemplares fotográficos deste grande símbolo do Festival de Cannes que é o cartaz.

A alemã Marlene Dietrich (1901-1992) foi uma das grandes atrizes do antigo cinema. Também cantava muito bem. Antinazista, deixou seu país e foi viver nos Estados Unidos.  Era bonita, tinha fama de belas pernas, mostradas no filme “O Anjo Azul” (filme baseado num romance de Heinrich Mann, por sinal filho de uma brasileira com um alemão).

Em 1959, Marlene Dietrich veio ao Brasil. Hospedou-se no hotel Copacabana Palace, no Rio, em cujo teatro ela se apresentou, cantando. Claro que cantou “Lili Marlene”, música que fez muito sucesso. No final, ela surpreendeu a plateia, cantando uma popular música brasileira, “Luar do Sertão”, de Catulo da Paixão Cearense, com sotaque, é claro.

Aos 90 anos, a atriz e cantora alemã faleceu apenas um dia antes da abertura do evento, o que fez deste cartaz uma das mais simbólicas homenagens já prestadas pelo Festival de Cannes.

Abaixo vemos, Marlene Dietrich no Rio de Janeiro em 1959

Produtos recomendados

Balança de Precisão ASCA Farmácia e Laboratórios, Meados do Século XX

Balança de Precisão ASCA Farmácia e Laboratórios, Meados do Século XX

por R$ 600,00
ou 3x de R$ 200,00 sem juros
ou R$ 540,00 por depósito bancário
Chapas de Impressão de Rótulo do Elixir GALENOGAL Anos 1930

Chapas de Impressão de Rótulo do Elixir GALENOGAL Anos 1930

por R$ 300,00
ou 3x de R$ 100,00 sem juros
ou R$ 270,00 por depósito bancário
Sobre nós

Somos a Casa do Velho e desde 2014 buscamos oferecer para amigos e clientes, objetos antigos, colecionáveis e decorativos, buscando sempre itens singulares e excêntricos para sua casa, coleção ou cenário.

Pague com
Facebook
Newsletter

Assine nossa mala direta e receba muitas ofertas por e-mail.

Loja segura