Clique para ampliar

Compartilhar:

THEATRO COLISEU Cartaz do Espetáculo O PINDAHYBA da Troupe MARIA LINA Sexta Feira, 20 de Dezembro de 1918

THEATRO COLISEU Cartaz do Espetáculo O PINDAHYBA da Troupe MARIA LINA, Sexta Feira, 20 de Dezembro de 1918

Medindo 25x17 cm

MARIA LINO
A Rainha do Maxixe


Maria Lino era italiana e se chamava Maria Del Negri. Chegou aqui com 14 anos, como dançarina do Alcazar Lyrique. Entrou para a história do teatro musical brasileiro como coreógrafa, considerada uma das maiores expoentes do maxixe – a dança proibida.
aleceu, com idade bastante avançada.

Maria Lima Negri, conhecida na vida artística como Maria Lina Del Negri ou Maria Lino, nasceu na Itália e, segundo pesquisadores, teria vindo para o Brasil ainda adolescente, onde viria a se tornar a rainha do maxixe.

Existem controvérsias quanto à data de seu nascimento: segundo a ficha da DOPS/PE, feita em 1938, Maria Lino também atenderia pelo nome de Maria Luiza e teria 54 anos, o que remete a 1884 como data de seu nascimento. Porém, Jota Efegê, autor do livro “Maxixe – a dança excomungada”, principal fonte histórica de pesquisa sobre a dança, afirma que Maria Lino teria nascido em 1880, o que parece o mais provável.

Maria Lino es­treou no teatro de revista (no final do século XIX) em montagens de Arthur Azevedo, com destaque para “O jagunço” (1898) e “Gavroche” (1899). Sua assinatura definiti­va como vedete se deve mesmo à dança do maxixe, tendo participado também do teatro de repertório. Integrante do elenco da peça “Deus”, encenada pela Companhia Renato Vianna e seu teatro no Teatro de Santa Isabel, Maria Lino veio ao Recife em abril de 1938, tendo sido fichada pela DOPS/PE, assim como sua filha Suzana Negri.

É possível afirmar, sem medo de errar, que a história de Maria Lino (ou Lina) se confunde com a história do maxixe e da consagração como dança digna de ser apresentada nos salões da elite. Foi um longo e controverso percurso para esta dança, cujas origens se encontram nos clubes clandestinos localizados na região do Mangue e Praça Onze – na época, chamados “criouléus” – e que viriam a ser os precursores da gafieira no Rio. Considerado extremamente erótico e vulgar – o que era associado à sua origem negra e pobre – o maxixe ganhou apelido de dança proibida.

Maria Lino ficou famosa como dançarina e coreógrafa do maxixe, tendo feito inúmeras apresentações no Brasil e na Europa. Entre 1910 e 1913, ajudou a dar visibilidade ao maxixe em Paris, onde ficou conhecido como o tango brasileiro. Em parte dessas apresentações, Maria Lino tinha como partner Antônio Lopes de Amorim Diniz, o Duque, que a levou para dançar também em Londres. Tais apresentações foram fundamentais para fazer do maxixe a verdadeira dança nacional-brasileira, segundo o noticiário da época, contribuindo para a construção de uma identidade nacional afinada com a ideologia do embranquecimento da população. De volta ao Brasil, Maria Lino fez uma palestra no Teatro Fênix, onde defendia que “A dança é alegria, não tem moral. Nós é que pomos moral, segundo a nossa educação”.

Maria Lino faleceu no Brasil, em 1940.

 

http://obscurofichario.com.br/fichario/maria-lima-negri/" target="_blank">http://obscurofichario.com.br/fichario/maria-lima-negri/

Produtos recomendados

Livro RESISTIR É PRECISO  Joaquina Lacerda Leite  Com dedicatória à BIBI FERREIRA

Livro RESISTIR É PRECISO Joaquina Lacerda Leite Com dedicatória à BIBI FERREIRA

por R$ 80,00
ou 3x de R$ 26,67 sem juros
ou R$ 72,00 por depósito bancário
Livro DERCY DE CABO A RABO   Maria Adelaide Amaral   Com dedicatória  à  BIBI FERREIRA

Livro DERCY DE CABO A RABO Maria Adelaide Amaral Com dedicatória à BIBI FERREIRA

por R$ 100,00
ou 3x de R$ 33,33 sem juros
ou R$ 90,00 por depósito bancário
Autógrafos de ZIRALDO e ANTÔNIO AUSTREGÉSILO Concedidos em épocas distintas 1940 e 1981

Autógrafos de ZIRALDO e ANTÔNIO AUSTREGÉSILO Concedidos em épocas distintas 1940 e 1981

por R$ 400,00
ou 3x de R$ 133,33 sem juros
ou R$ 360,00 por depósito bancário
Sobre nós

CASA DO VELHO acredita que valorizar os objetos de nossos antepassados é contribuir para preservar nossa história. É cultivando as lembranças da infância, dos itens que marcaram época, dos objetos inusitados que nos conectamos à nossa própria história

Pague com
Facebook
Newsletter

Assine nossa mala direta e receba muitas ofertas por e-mail.

Loja segura