Clique para ampliar

Compartilhar:

Fotografia do Escritor CASTRO MENDES em Família, com Dedicatória e Autógrafo Dedicados aos "Padrinhos" Dona Dora e FELIX PACHECO, em 1913

Raríssima Fotografia do Escritor CASTRO MENDES em Família, com Dedicatória e Autógrafo Dedicados aos "Padrinhos" Dona Dora e FELIX PACHECO, em 1913

Casamento com Calypso Borges da Fonseca, filha do Desembargador Gregório Magno Borges da Fonseca

Peça muito estimada, de um ecritor que morreu muito jovem.

Medida total da fotografia: 26 x 21 cm.

Álvaro Sá de Castro Menezes (Niterói, 3 de junho de 1883 Rio de Janeiro, 7 de março de 1920) foi um poeta, escritor, jornalista, promotor público, juiz e lente (professor catedrático) de Economia Rural e Estatística da antiga Escola Superior de Agricultura (atualmente Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro).

Foi um dos grandes expoentes do Simbolismo no Brasil, patrono da cadeira nº 14 da Academia Fluminense de Letras. Influenciou toda uma geração de poetas e escritores brasileiros, como Manuel Bandeira, Coelho Neto, Catulo da Paixão Cearense, Gilka Machado, Humberto de Campos, Antonio Joaquim Pereira da Silva, Herbert Moses, entre outros.

Em 31/12/1905, graduou-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais do Rio de Janeiro, uma das duas faculdades que foram fundidas em 1920 na Faculdade Nacional de Direito da UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Formado, Castro Menezes mudou-se para Belém do Pará por um curto período, onde foi redator do jornal “A Província” e lente (professor) do Ginásio Paes de Carvalho. Em 1909 casou-se com Carmen Mello de Castro Menezes, filha do fazendeiro paraense João Félix Geraque Pereira de Mello, tendo dois filhos deste primeiro casamento, João Frederico e Álvaro Cezar.

Regressando ao Rio de Janeiro, foi nomeado Promotor Público da cidade de Itaboraí – RJ e, em 1911, Juiz Municipal da cidade de Conceição de Duas Barras – RJ, cargo que exerceu até 1918. Neste período, enviuvou-se e se casou novamente em 1913 com Calypso Borges da Fonseca, filha do Desembargador Gregório Magno Borges da Fonseca, presidente do Tribunal de Justiça do Espírito Santo. Deste segundo casamento, teve um filho, Frederico de Castro Menezes.

Sobre nós

CASA DO VELHO acredita que valorizar os objetos de nossos antepassados é contribuir para preservar nossa história. É cultivando as lembranças da infância, dos itens que marcaram época, dos objetos inusitados que nos conectamos à nossa própria história

Pague com
Facebook
Newsletter

Assine nossa mala direta e receba muitas ofertas por e-mail.

Loja segura